Follow by Email

quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Convite para o lançamento do livro "A América Portuguesa e os Sistemas Atlânticos na Época Moderna"

Meus caros,

tenho o prazer de convidá-los para o lançamento do livro A América Portuguesa e os Sistemas Atlânticos na Época Moderna, escrito a seis mãos por João Fragoso, Roberto Guedes Ferreira e eu (detalhes abaixo e, sobre o livro, aqui). Não poderei estar presente, mas fica o convite!

Sinopse: O objetivo deste livro é expor uma interpretação do Brasil colonial diferente da tradicional, que o resume a um grande canavial escravista, refém do capitalismo dito comercial. O próprio termo colonial surge apenas em fins do século XVIII e traz uma visão de extrema dependência. Num contexto mais geral, provocamos uma reflexão sobre a dinâmica da América e do império ultramarino luso, confrontando-os com o espanhol e o inglês.
Partimos da ideia de que a América lusa e seu sistema atlântico resultaram da ação de ho-mens e mulheres das diferentes sociedades presentes no sul da Europa, África e América.
Os agentes europeus trouxeram na bagagem o Antigo Regime católico e suas ideias esta-mentais, de pertencimento à monarquia, de autogoverno dos municípios, de devoções ao além-túmulo etc. Do outro lado do Atlântico, sabemos pouco sobre os valores das popula-ções indígenas americanas e africanas, mas certamente foi com eles que enfrentaram e negociaram com os europeus.
Este processo resultou numa sociedade calcada no Antigo Regime, ainda que diferente: aqui a base foi a escravidão, a mestiçagem e as relações de patronagem/ clientela, terminando por redefinir a estratificação estamental.

Este livro faz parte da Coleção FGV de Bolso | Série História

quinta-feira, 25 de julho de 2013

Minicurso Senhores, Escravos e Impérios - ANPUH 2013 - Powerpoints

Caros alunos,

aqui estão os Powerpoints do curso, assim como o programa.

https://www.dropbox.com/s/bqdsl2bpny51gx9/Programa.docx
https://www.dropbox.com/s/jq7108bb1sz1hf1/Minicurso%20-%20Primeiro%20Dia%20-%20Tr%C3%A1fico%20e%20Ascens%C3%A3o%20da%20Escravid%C3%A3o.ppt
https://www.dropbox.com/s/q4qmfbcz00hcers/Minicurso%20-%20Segundo%20Dia%20-%20Senhores%20e%20Escravos.ppt
https://www.dropbox.com/s/q4qmfbcz00hcers/Minicurso%20-%20Segundo%20Dia%20-%20Senhores%20e%20Escravos.ppt

Aproveitem!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Abolição, Indenização e a Elite Inglesa, do século XIX aos dias de hoje



The true scale of Britain's involvement in the slave trade has been laid bare in documents revealing how the country's wealthiest families received the modern equivalent of billions of pounds in compensation after slavery was abolished.

The previously unseen records show exactly who received what in payouts from the Government when slave ownership was abolished by Britain – much to the potential embarrassment of their descendants. Dr Nick Draper from University College London, who has studied the compensation papers, says as many as one-fifth of wealthy Victorian Britons derived all or part of their fortunes from the slave economy.

As a result, there are now wealthy families all around the UK still indirectly enjoying the proceeds of slavery where it has been passed on to them. Dr Draper said: "There was a feeding frenzy around the compensation." A John Austin, for instance, owned 415 slaves, and got compensation of £20,511, a sum worth nearly £17m today. And there were many who received far more.

Academics from UCL, led by Dr Draper, spent three years drawing together 46,000 records of compensation given to British slave-owners into an internet database to be launched for public use on Wednesday. But he emphasised that the claims set to be unveiled were not just from rich families but included many "very ordinary men and women" and covered the entire spectrum of society.

Dr Draper added that the database's findings may have implications for the "reparations debate". Barbados is currently leading the way in calling for reparations from former colonial powers for the injustices suffered by slaves and their families.

Among those revealed to have benefited from slavery are ancestors of the Prime Minister, David Cameron, former minister Douglas Hogg, authors Graham Greene and George Orwell, poet Elizabeth Barrett Browning, and the new chairman of the Arts Council, Peter Bazalgette. Other prominent names which feature in the records include scions of one of the nation's oldest banking families, the Barings, and the second Earl of Harewood, Henry Lascelles, an ancestor of the Queen's cousin. Some families used the money to invest in the railways and other aspects of the industrial revolution; others bought or maintained their country houses, and some used the money for philanthropy. George Orwell's great-grandfather, Charles Blair, received £4,442, equal to £3m today, for the 218 slaves he owned.

The British government paid out £20m to compensate some 3,000 families that owned slaves for the loss of their "property" when slave-ownership was abolished in Britain's colonies in 1833. This figure represented a staggering 40 per cent of the Treasury's annual spending budget and, in today's terms, calculated as wage values, equates to around £16.5bn.
huge payouts after abolition

David Cameron's ancestors were among the wealthy families who received generous reparation payments that would be worth millions of pounds in today's money
Sanchez Manning

Sunday 24 February 2013
http://www.independent.co.uk/news/uk/home-news/britains-colonial-shame-slaveowners-given-huge-payouts-after-abolition-8508358.html

A total of £10m went to slave-owning families in the Caribbean and Africa, while the other half went to absentee owners living in Britain. The biggest single payout went to James Blair (no relation to Orwell), an MP who had homes in Marylebone, central London, and Scotland. He was awarded £83,530, the equivalent of £65m today, for 1,598 slaves he owned on the plantation he had inherited in British Guyana.

But this amount was dwarfed by the amount paid to John Gladstone, the father of 19th-century prime minister William Gladstone. He received £106,769 (modern equivalent £83m) for the 2,508 slaves he owned across nine plantations. His son, who served as prime minister four times during his 60-year career, was heavily involved in his father's claim.

Mr Cameron, too, is revealed to have slave owners in his family background on his father's side. The compensation records show that General Sir James Duff, an army officer and MP for Banffshire in Scotland during the late 1700s, was Mr Cameron's first cousin six times removed. Sir James, who was the son of one of Mr Cameron's great-grand-uncle's, the second Earl of Fife, was awarded £4,101, equal to more than £3m today, to compensate him for the 202 slaves he forfeited on the Grange Sugar Estate in Jamaica.

Another illustrious political family that it appears still carries the name of a major slave owner is the Hogg dynasty, which includes the former cabinet minister Douglas Hogg. They are the descendants of Charles McGarel, a merchant who made a fortune from slave ownership. Between 1835 and 1837 he received £129,464, about £101m in today's terms, for the 2,489 slaves he owned. McGarel later went on to bring his younger brother-in-law Quintin Hogg into his hugely successful sugar firm, which still used indentured labour on plantations in British Guyana established under slavery. And it was Quintin's descendants that continued to keep the family name in the limelight, with both his son, Douglas McGarel Hogg, and his grandson, Quintin McGarel Hogg, becoming Lord Chancellor.

Dr Draper said: "Seeing the names of the slave-owners repeated in 20th‑century family naming practices is a very stark reminder about where those families saw their origins being from. In this case I'm thinking about the Hogg family. To have two Lord Chancellors in Britain in the 20th century bearing the name of a slave-owner from British Guyana, who went penniless to British Guyana, came back a very wealthy man and contributed to the formation of this political dynasty, which incorporated his name into their children in recognition – it seems to me to be an illuminating story and a potent example."

Mr Hogg refused to comment yesterday, saying he "didn't know anything about it". Mr Cameron declined to comment after a request was made to the No 10 press office.

Another demonstration of the extent to which slavery links stretch into modern Britain is Evelyn Bazalgette, the uncle of one of the giants of Victorian engineering, Sir Joseph Bazalgette and ancestor of Arts Council boss Sir Peter Bazalgette. He was paid £7,352 (£5.7m in today's money) for 420 slaves from two estates in Jamaica. Sir Peter said yesterday: "It had always been rumoured that his father had some interests in the Caribbean and I suspect Evelyn inherited that. So I heard rumours but this confirms it, and guess it's the sort of thing wealthy people on the make did in the 1800s. He could have put his money elsewhere but regrettably he put it in the Caribbean."

The TV chef Ainsley Harriott, who had slave-owners in his family on his grandfather's side, said yesterday he was shocked by the amount paid out by the government to the slave-owners. "You would think the government would have given at least some money to the freed slaves who need to find homes and start new lives," he said. "It seems a bit barbaric. It's like the rich protecting the rich."

The database is available from Wednesday at: ucl.ac.uk/lbs.

Cruel trade

Slavery on an industrial scale was a major source of the wealth of the British empire, being the exploitation upon which the West Indies sugar trade and cotton crop in North America was based. Those who made money from it were not only the slave-owners, but also the investors in those who transported Africans to enslavement. In the century to 1810, British ships carried about three million to a life of forced labour.

Campaigning against slavery began in the late 18th century as revulsion against the trade spread. This led, first, to the abolition of the trade in slaves, which came into law in 1808, and then, some 26 years later, to the Act of Parliament that would emancipate slaves. This legislation made provision for the staggering levels of compensation for slave-owners, but gave the former slaves not a penny in reparation.

More than that, it said that only children under six would be immediately free; the rest being regarded as "apprentices" who would, in exchange for free board and lodging, have to work for their "owners" 40 and a half hours for nothing until 1840. Several large disturbances meant that the deadline was brought forward and so, in 1838, 700,000 slaves in the West Indies, 40,000 in South Africa and 20,000 in Mauritius were finally liberated.

David Randall

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

sábado, 9 de fevereiro de 2013

Entrevista com Todorov

http://revistadehistoria.com.br/secao/entrevista/tzvetan-todorov

Tzvetan Todorov
Só a ficção nos salva

Bruno Garcia

A formação como crítico literário foi apenas o começo da longa carreira de um dos pensadores mais completos dos nossos dias. Autor de mais de 20 livros, Tzvetan Todorov é conhecido hoje principalmente por seu trabalho como ensaísta, historiador e filósofo. Da Conquista da América ao espírito do Iluminismo, seus textos se tornaram clássicos.

Relacionando os interesses intelectuais com a experiência pessoal, Todorov percorre confortavelmente todo o campo humanístico. De modo geral, o conjunto da sua obra se debruça sobre o tema da alteridade. Como o próprio autor admite: “Minha motivação era ser um búlgaro vivendo na França.” A condição de imigrante despertou sua sensibilidade para o encontro dos ameríndios com os europeus no século XVI. E, nos tempos atuais, sabe identificar a intolerância do totalitarismo, mesmo disfarçada como uma messiânica cruzada pelos direitos humanos “universais”. Tudo isso sem abandonar a paixão pela ficção e os grandes escritores. Afinal, é a Literatura que nos faz humanos.

Em São Paulo, durante uma palestra no projeto Fronteiras do Pensamento, Todorov falou sobre sua carreira e as questões latentes da nossa contemporaneidade. No lugar das respostas de quem crê cegamente no progresso, nas páginas a seguir, o leitor encontra as inquietações de uma das vozes mais lúcidas e profundas de um mundo em crise. Talvez por não saber identificar, como ele diz, “o que ainda não está em crise”.

Revista de História – O que o levou a trabalhar com uma variedade tão grande de temas?

Tzvetan Todorov – Nem acho que sejam tão variados assim. Meu horizonte de interesses é muito largo, mas em contrapartida não posso estudar tudo. Não sou um especialista sobre Brasil, por exemplo. Embora tenha vindo diversas vezes, nunca tive a chance de me aprofundar verdadeiramente. Na América, acabei por estudar o México, os maias e outros povos da América Central. Mas não conheço bem Brasil, Peru, Argentina. É necessário fazer escolhas.

RH – E que critérios usa para isso?

TT – Bom, não é fácil, mas sempre senti a necessidade de falar do que diz respeito à minha experiência pessoal. Eu não gostaria, no entanto, de escrever minha autobiografia, ou algo do gênero, mas sim fazer o trabalho de historiador com uma motivação pessoal forte. Percebi muito cedo que, no domínio das ciências humanas, era importante, essencial, uma relação entre o objeto de trabalho e o sujeito que o faz. Escolher os temas arbitrariamente, porque o acaso assim quer, põe em xeque a consistência do trabalho, que corre o risco de se tornar apenas uma reprodução daquilo que já existe.

RH – Qual foi o seu primeiro interesse?

TT – O primeiro tema com o qual fui confrontado foi o da alteridade cultural. Obviamente, minha motivação era ser um búlgaro vivendo na França. Isso causava uma dupla exterioridade, uma dupla diferença. A primeira, linguística, já que cresci em contato com a língua búlgara, que faz parte das línguas eslavas. A grande literatura próxima a mim era a Literatura Russa. É verdade que eu me interessava pelas tradições literárias inglesa, francesa e alemã, mas não tinha conhecimento profundo sobre elas. Portanto, eu era um estrangeiro de outra cultura. A segunda era uma diferença política: os regimes na Bulgária e na França não tinham nada a ver. O primeiro era um regime comunista muito severo na época, anos 1950 e 1960, enquanto, na França, era uma democracia liberal, o contrário de uma ditadura. Então, eu tinha a motivação, mas me faltava a matéria, o objeto.

RH – E o encontrou na Conquista da América?

TT – Sim, porque não achava interessante escrever sobre um búlgaro em Paris. Foi nessa época que, por acaso, fui convidado para lecionar um ou dois meses no México a respeito de questões relativas à crítica literária. Estar no México me impressionou bastante, sobretudo o contato com a forte cultura local e nacional. Fiquei encantado por um livro que contava relatos do encontro entre europeus e indígenas, e bastante interessado pela natureza desse encontro. Não pelo fato em si, pois foi extremamente violento. Mas, confesso, fui arrebatado pela história e me senti muito motivado a falar sobre o encontro de culturas, no caso o encontro das culturas europeia e indígena no século XV-XVI no Golfo do México. Eu aprendi espanhol, li muitos relatos dos conquistadores, de monges franciscanos e dominicanos que contavam a respeito do que haviam testemunhado. Também tive acesso aos preciosos relatos dos indígenas, redigidos tanto na língua deles quanto em espanhol. Diante disso, escrevi esse livro [A Conquista da América, 1982] sobre a relação entre populações que até então se ignoravam. Percebi uma série de coisas que mostram ter sido esse contato muito mais complexo do que imaginava.

RH – Quais?

TT - Percebi que Hernan Cortez não era apenas um peão, mas um sujeito dotado de estratégias de como se infiltrar no outro. Surpreendeu-me a atitude de um universalismo moral, encarnado por Bartolomeu de las Casas, religioso que tentou tratar o espírito de ambos os lados da mesma maneira. Outros testemunhos procuravam preservar as diferenças, reforçar não o que havia de universal, mas o que cada cultura tinha de específico. Bernardino de Sahagún e Diego Duran deixaram documentos de grande riqueza e originalidade. Mitos e lendas se misturam ali, e tudo isso produz um material realmente magnífico. Enfim, escrevi esse livro pensando em minha experiência na França, na condição de estrangeiro imigrado, mas também como um ensaio para reconstituir esse encontro. Minha maneira de escrever a história é sempre dessa natureza: o que me interessa é o caráter exemplar de um movimento, o evento. Poder refletir sobre o presente a partir desses episódios do passado; tirar lições do passado para viver melhor.

RH – Como a Literatura ajuda a entender a História?

TT – Quando se pergunta o porquê da Literatura, só resta responder: porque somos seres humanos. A Literatura é uma necessidade humana, vem da própria existência. Somos animais que consomem voluntariamente grande quantidade de relatos e poesias. Todas as populações do globo, de todas as épocas, contam suas histórias e cantam seus poemas. Somos obrigados, por exemplo, a nos recontar histórias para saber sempre o que fizemos, por isso constituímos essa quantidade enorme de impressões. Vivemos o dia a dia, escutamos tudo o que nos acontece, observamos tudo o que está à nossa volta, e o que resta disso é sempre uma história. Eu encontrei um amigo, tomamos café, falávamos disso ou daquilo etc. Essa é a função narrativa, mas ela se encontra condensada, sublimada e magnificada na Literatura. A ficção conta melhor nossas próprias experiências. As palavras me permitem expressar meus sentimentos, mas também enxergam a pluralidade humana. A Literatura é a forma pela qual percebemos que os seres humanos não vivem cada um no seu mundo, mas numa pluralidade infinita. Apesar dos muitos interesses que tenho, ela continua especial.

RH – A opção pela multidisciplinaridade é uma tendência?

TT – Não saberia dizer se é uma tendência. Eu não tenho exatamente uma carreira acadêmica. Não trabalho muito na universidade, mas em um centro de pesquisa [Centro de Pesquisa de Artes e Linguagens, da Escola de Altos Estudos em Ciências Sociais de Paris] onde cada um decide por si mesmo a orientação temática do seu trabalho. Lá, ninguém me obrigou a me adaptar a um modelo dado; fui guiado por meus interesses. Sei que não é assim sempre, nem em todas as profissões. Na universidade, por exemplo, o professor é obrigado a repetir seu curso porque não tem tempo de preparar um novo. E a divisão das diferentes disciplinas humanísticas, das ciências humanas e sociais, é um tanto artificial, feita ao acaso. Às vezes, um bom professor de uma cadeira de História Econômica se destaca, e a instituição cria a disciplina História Econômica, o que é um pouco arbitrário. Eu não ensinei muito, quase nada, na universidade. Tive a possibilidade de sempre fazer algo diferente dos meus trabalhos anteriores. Mas, é claro, há aqueles que estudam a mesma coisa a vida toda.

RH – Como é a vida acadêmica na França?

TT – Hoje, a vida acadêmica considerada ideal, pelo menos na França, é aquela em que um intelectual escolhe um autor e com ele passa um longo tempo pesquisando, até que, por fim, escreve sua grande tese, confirmando sua especialidade. Esses intelectuais sabem absolutamente tudo sobre seu escritor, o que já escreveram a seu respeito, sua biografia, suas amantes, seus professores, discípulos, tudo sem exceção. Não surpreende que a grande maioria dos professores de Literatura publique um só livro, que é justamente sua tese, além de alguns pequenos artigos em torno do mesmo escritor.

RH –Qual é a sua opinião a respeito?

TT – Penso que essa é uma concepção muito escolástica. Por mais que escrevam a vida toda sobre alguém, nada disso substitui a experiência da leitura direta. Os estudos literários podem nos ajudar a compreender melhor os escritores, podem desempenhar um útil papel auxiliar, até porque há textos que são realmente difíceis. Um bom comentador e suas reflexões auxiliam muito, uma vez que facilitam o acesso a esse livro, mas nunca substituem o escritor e sua própria prosa.

RH – Há uma valorização excessiva da teoria?

TT – Isso está em evidência. Aliás, uma evidência obrigatória para a qual procurei chamar a atenção. A importância da Literatura não é o método ou teoria com a qual a estudamos, mas é a própria Literatura. Porque ela fala de nós mesmos, da condição humana, da nossa sociedade. Ela nos permite compreender melhor o mundo. Quando lemos um livro, está lá o que é mais importante. Quando eu leio a Flor do Mal,de Baudelaire, a importância não é a metáfora nem as figuras retóricas, e sim o motivo pelo qual continuamos a ler esse poema. É a imagem que nos dá do mundo e de nós mesmos. A Literatura nos ajuda a viver por um enriquecimento de nosso mundo interior.

RH – Foi essa reflexão que o motivou a escrever Literatura em perigo [Difel, 2009]?

TT – Escrevi esse livro, um pouco polêmico, para mostrar que esse tipo de estudo não é mau em si mesmo, mas que se torna sufocante se é a única coisa que fazemos. Podemos estudar a imagem em um poema com a intenção de compreendê-lo melhor, e não pelo prazer de fazer um inventário de suas imagens e de suas figuras retóricas.



RH – Se a Literatura é tão reveladora por si só, por que se aventurar por ouras áreas?

TT – A Literatura é suficientemente rica, séria e interessante para ocupar toda a sua vida. Mas, quando eu comecei, fui privado da possibilidade de tratar de outros temas por conta da minha educação na Bulgária e da forte restrição dos temas que podíamos abordar. Senti-me inclinado, depois, a falar um pouco do mundo que nos rodeia. Tornei-me alguém que pretende incluir a Literatura numa mescla mais vasta, que contém a Filosofia, a Política, a Sociologia, em diferentes tipos de discursos da sociedade, como a Pintura, que é também algo que me interessa muito. Mas nunca abandonei a Literatura. Continuo me servindo dos escritores e me referindo a eles.

RH – O senhor identifica a emergência de um messianismo contemporâneo. Qual a importância desse fenômeno?

TT – O mundo todo, da América do Sul ao Vietnã, se manteve politicamente organizado em torno, até o fim, do conflito da Guerra Fria [Período que se estendeu do final da Segunda Guerra Mundial, em 1945, ao fim da União Soviética, em 1991, marcado pela oposição e pela tensão militar entre os blocos capitalista, liderado pelos Estados Unidos, e socialista, liderado pela União Soviética]. Quando isso terminou, quando deixamos de estar presos à divisão do mundo em dois polos, entramos em nova fase com diferentes características. Uma delas diz respeito às relações internacionais: é a invenção de uma guerra dita humanitária, justificada por um objetivo nobre e generoso. Em geral, esse objetivo consiste em defender os direitos humanos, ajudar as vítimas de violências etc. Mas isso é feito por meio de intervenções militares, o que acaba por produzir muito mais vítimas do que a causa que se pretendia combater. Esse tipo de guerra, a meu ver, é uma das grandes características do nosso tempo. E hoje não há apenas a guerra civil de um lado e as guerras humanitárias do outro. Há muitas outras guerras. No lugar das guerras de conquista ou mesmo ideológicas, há, por exemplo, a guerra punitiva, como a Al Qaeda atacando os Estados Unidos, e, claro, sua resposta imediata, que ainda permanece em curso. Essa é uma guerra tipicamente justificada por nobres razões, o que eu chamo de messianismo.

RH – Qual é a diferença desse messianismo daqueles produzidos nos séculos XVIII e XIX?

TT – A ideia de messianismo carrega um processo levado a cabo pelo Iluminismo e pela Revolução Francesa, mas hoje tem um caráter bastante diferente. Não podemos dizer que nossas guerras se assemelham às guerras coloniais, por exemplo: não se trata de submeter ou integrar um país e sua população ao seu território. Mudaram os ideais, mudaram os meios técnicos, que evoluem muito. Hoje, as guerras também influenciam a condução dos negócios. Mesmo a ideia de direitos humanos daquele período é completamente diferente da nossa. Antes, eles diziam respeito à emancipação do indivíduo.

RH – E hoje?

TT – Enquanto princípio universal, os direitos humanos defendem algumas coisas importantes, como a liberdade do indivíduo, a igualdade perante a lei, a dignidade da pessoa humana, enfim, elementos que podem ser reivindicados por todos. No entanto, o que acontece nos nossos dias é a utilização dessa ideologia como justificativa para uma política agressiva. Podem dizer que em tal país acontecem violações dos direitos humanos, e, portanto, temos o direito de intervir e corrigir. Mas está claro que não podemos impor esses direitos. Isso não nos deve impedir evidentemente de socorrer prisões injustas e torturas, mas é necessário lidar com essas categorias com precaução, sem a ousadia de pensar que nós somos proprietários e juízes desses direitos, e cabe a nós então o papel de agir sobre os outros povos “selvagens”. Somos filhos do Iluminismo, mas nossa relação com algumas de suas ideias é muito diferente. Os direitos humanos não só foram construídos numa época específica, como correspondem a um tipo específico de sociedade ocidental. Há outras sociedades que não reservam um lugar especial ao indivíduo, mas à coletividade, ao grupo. Neste sentido, os direitos humanos não são verdadeiramente universais.

RH – É o fim da crença no progresso?

TT – Sim, mas acho que não nos livraremos dela com facilidade. Mesmo se não acreditarmos mais na teoria do progresso, há, na própria ideia de humanidade, a convicção de que sempre devemos melhorar nossa condição. Houve o momento em que a crença em movimentos políticos, como o comunismo, era muito forte. Certamente uma tentativa de melhorar as condições da massa pobre sofrida. Mais tarde se deram conta de que o remédio era pior que a doença, o resultado não era melhor que o motivo com o qual se revoltaram. Mas está sempre ligado à ideia do progresso, de melhorar o mundo.

RH – E qual seria o “remédio” de hoje?

TT – Em nossos dias, essa crença do progresso está muito ligada à Tecnologia. Ora, é um produto novo, um computador, um telefone, mais tarde também a Biologia, pois queremos filhos lindos, inteligentes, geniais se possível. É a obrigação de procurar o melhor, mesmo se na Filosofia e na teoria política não compartilhamos mais do mesmo otimismo dos iluministas, que acreditavam que o futuro sempre seria algo melhor que o presente. A ciência traz melhorias para a nossa vida. Entretanto, há o risco também. O átomo, por exemplo, pode significar a energia que acende a luz das casas, mas também riscos inimagináveis e grandes catástrofes como Chernobil [Acidente na Usina Nuclear Vladimir Lenin, localizada na cidade de Chernobyl, na Ucrânica, parte da União Soviética, em 1986. A explosão de um dos reatores provocou uma das maiores tragédias da história da energia nuclear, contaminando grandes áreas de toda a Europa Central].

A clonagem talvez seja necessária para produzir órgãos humanos para aqueles que sofrem de certa doença, mas também podemos imaginar a produção de uma subespécie humana, robôs ou até zumbis. Tudo isso é incerto. O sociólogo alemão Ulrich Beck desenvolveu a ideia de que, durante o século XIX, a ciência era uma fonte de esperança. Depois da segunda metade do século XX, se tornou fonte de desespero, quer dizer, de risco e inquietude. Ficou muito difícil ser otimista.

RH – O Humanismo está em crise?

TT – Não tenho certeza. O Humanismo é uma concepção ideal e moral que não sei ao certo se está em crise. Ao menos, não sozinha. Tenho a impressão de que nós achamos que o Humanismo não é muito forte, que é frágil. Ele certamente recebe muitas agressões. Mas talvez não esteja em crise se nós não encontrarmos nada para colocar no seu lugar. Talvez por não sabermos, hoje em dia, o que ainda não está em crise.

Economia e Escravidão no Caribe

https://www.dropbox.com/s/57ba4s5owo17ql7/11%20-%20Economia%20e%20Escravid%C3%A3o%20no%20Caribe.ppt

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013